Tatiana e Felix
Felix ganhou um irmão e uma Familia!
Era uma vez uma moça que em uma dia ensolarado encontrou um novo amor. Ela já havia adotado outro filho felino há oitos anos e sempre quis um irmão para ele. Os anos se passaram, muitas visitas em feiras de adoção, alguns trabalhos voluntários e nenhum outro irmão. Até que nesse dia iluminado essa moça se deparou com um gatinho alaranjado repleto de carinho. Ela o levou para casa para apresentar ao novo irmão e com receio temia por sua adaptação. No mesmo dia o laranjinha comeu, bebeu água e brincou pela casa toda com seu irmão preto e branco. A moça teve seu sonho realizado e a cada dia sente que o amor não é para ser dividido e sim multiplicado. Ela agradece ao Félix, que não por acaso significa sortudo, bem sucedido e simplesmente feliz. Tatiane Andrade.
Yasmin Machado e Lola!
Um lindo relato… Um ato de amor que transforma vidas
Essa princesa da foto é a Lola, adotada em agosto de 2016. Eu não sei nem por onde começar a descrever o quanto adotar a Lola foi importante pra mim e mudou a minha vida. Sou do Rio de Janeiro e eu havia acabado de me mudar para São Paulo, com apenas 21 anos, morando longe da minha família e amigos pela primeira vez em uma cidade estranha. Durante muitos meses me senti solitária e ficar sozinha acabou desencadeando em mim diversas crises de ansiedade. Resolvi então procurar uma ONG de confiança onde pudesse trabalhar como voluntária e, quem sabe, adotar um animalzinho. Foi então que conheci a AILA e minha vida mudou. A Lola era apenas uma filhotinha, uma bolinha de pelos quietinha e a mais assustada. Durante um evento de adoção eu simplesmente não conseguia largar ela. Sabe aquelas coisas da vida que parecem estar escrito? A universo às vezes faz planos para a gente e coloca anjos nas nossas vidas. Tenho certeza de que a mudança para São Paulo aconteceu apenas para nos encontrarmos, já que poucos meses depois voltei para o Rio de Janeiro. Era para ser. Desde que adotei a Lola nunca mais me senti sozinha e as crises de ansiedade desapareceram. Dar e receber amor é um remédio para a vida. Hoje ela está aqui, desbravando terras cariocas, espoleta e sorridente, aprontando várias todos os dias. Feliz, como todos os animais deveriam estar. É a minha companheira e minha melhor amiga, coisa mais importante do mundo. Muita gente diz que eu mudei a vida dela, mas na verdade foi ela quem mudou a minha. Sobre a AILA: durante os meses que estive em São Paulo pude participar e acompanhar de perto o trabalho das pessoas incríveis que tive o prazer de conhecer e afirmo que é uma das coisas mais lindas que já vi!. Agradeço todos os dias por esse encontro.
 Yasmin Machado de Lima Dias 
Juliana de Moraes
A Filózinha já está com quatro anos. E foi lá em Cotia, na sede da Aila, que conhecemos o trabalho da ONG e adotamos a pequena charmosa então com três ou quatro meses, hoje uma “moça” linda. Me orgulho por poder dividir que a adoção pela Aila foi muito gratificante. Me impressionou o espaço e a dignidade com a qual os animais são tratados e acolhidos! Para quem quer ajudar, parece até bem pouco a adoção de um único animal, pois fica a sensação de que se poderia fazer mais. Mas, quem tem um cão ou gato sabe o quanto eles consomem da nossa energia e demandam atenção e carinho. São como eternas crianças, sempre precisam muito da gente. Por isso, adotar, que seja, um único peludo e cuidar dele com dedicação já merece toda a reverência. À Aila e sua direção, minha família só tem a agradecer. Obrigada por terem nos apresentado a Fi, que dos três “picaretas” que temos em casa, é a mais terrível e também quem mais traz a sensação de VIDA para nosso dia-a-dia! Ah! Aos leitores da seção Depoimentos, queria registrar que só escolhemos a Fi, uma então filhote, porque já tínhamos em casa outros dois cães adultos (um bem pequenino e outro enorme, de 44 kgs). Sabíamos que adotando uma filhote, não haveria problemas de adaptação. Mas, foi só por isso. Apóio e recomendo a adoção de animais adultos, pois são mais compreensíveis e fáceis para lidar, adaptando-se com mais facilidade à rotina das pessoas.
Célia e Jorge Padalino
Quero muito agradecer a AILA pelo presente mais maravilhoso do mundo que nos deram. Adotamos a Nina há treis meses, e foi a mais maravilhosa transformação do mundo nas nossas vidas. Ela trouxe tanto carinho que não cabe nos quatro cantos da nossa casa. Não existem palavras para descrever a Nina, só sei que ela é tudo pra nós! Ela é a paixão das nossas vidas, principalmente da minha filha de dois anos, a Geovana, não se largam aprontam o dia todo... que delícia. Agradecemos muito a Aila e a Marta pela oportunidade que tivemos em conhecer a Nina e por terem cuidado dela até o momento em que veio para nossa casa.
Daniela
Olá, meu nome é Daniela e gostaria de compartilhar com vocês minha felicidade, ano passado no bazar do clube pinheiros adotei a Dafine, ela é minha terceira cachorra, tenho uma poodle de 17 anos, uma labradora de 9 anos e a dafine de 2 anos. Ela é a alegria de nossas vidas, parece a filha caçula de casa. Obrigada por proporcionarem essa alegria em minha vida.
Luciano e Natália
Essa é a nossa Frida. Nós a adotamos em abril de 2009 e tenho certeza que foi uma das melhores coisas que fizemos. Fui à Cobasi da Giovanni levar a nossa Pitt para tomar banho e enquanto esperava fui à loja comprar alguns produtos. Foi quando me deparei com dois cachorrinhos, lindos, fofos...Não resisti. Saí de lá com a fêmea. Os dois são irmãos. A Frida é linda, alegre, carinhosa, temperamental e torna a nossa vida em casa muito mais gostosa. A nossa Pitt nos deixou em janeiro deste ano e a Frida tem nos ajudado a superar a perda. Fiquei sabendo que o irmãozinho dela se chama Johny e sempre vai à AILA para consulta, vacina, assim como a Frida, mas, nunca tive a sorte de encontrar com ele. Quem sabe um dia dê certo. Parabens pelo trabalho de vocês. É muito bom saber que há muitas pessoas que se preocupam e tomam atitudes para diminuir o sofrimento desses nossos amiguinhos, tão indefesos e tão carentes. Um abraço a todos
Elisabeth Moraes
Meu gato se chama minho. Muito fofo, companheiro de todas as horas, amigo, lindo! Um dia ele ficou doente, e não conseguia mais urinar, já estava com 13 anos.levei a um hospital de emergência para verificar o que estava ocorrendo. Passaram sonda (uma tortura para o animal), medicaram e nada de curá-lo. Em resumo chegaram a conclusão de que ele teria de efetuar uma cirurgia na parte genital, sem garantia de sobrevivência. Foi nesta ocasião que uma pessoa me indicou a ong aliança internacional do animal, e pediram para que eu procurasse o dr. Roberto, que ele era um excelente veterinário. Levei até lá desenganada, sem acreditar mais em ninguém. Conheci o dr. Roberto e ele imediatamente medicou o meu gato que ficou em observação, e em resumo ficou curado. Fiquei muito feliz e confiante. Trataram meu animal com muito carinho e atenção.meu minho durou ainda mais 5 anos, morreu com 18 anos de idade, sempre aos cuidados da ong com o dr. Roberto. Até hoje levo meus cães lá por sentir segurança, apoio, amor e atitudes de muito carinho. Parabéns a todos voces!